Soberanobook a rede social exclusivo do SPFC

AvatarEntity

www.makeanet.com/soberanobook/entrar

i’m back libertadores 2015

Salve nação São-paulina

O bom filho retorna ao principal torneio da América do sul, com a vitória sobre o santos na arena Cícero Pompeu de Toledo II (arena pantanal), a vaga para libertadores foi conquistada e com um show da torcida do estado do MT que provou para o marketing do SPFC que tem milhões de torcedores espalhados pelo mundo e não apenas para o estado de SP aonde se fazem algumas ações de marketing.

SPFC perdeu o campeonato mais fácil de ser conquistado, aonde perdeu pontos para equipes pequenas e médias e fez a falta nessa reta final do brasileiro 2014, que a lição sirva de exemplo para não torrar 10 milhões mês em apenas alguns atletas e sim em um elenco equilibrado, pois 2015 o SPFC tem obrigação de conquistar a libertadores, mundial de clubes, campeonato brasileiro, o restante pode colocar o time de cotia, pois o nosso sonho não se mede no campeonato paulista e sim conquistando o mundo pela quarta vez!

Reforços para 2015 tem que trazer Turíbio, Rosan e Carlinhos Neves, depois sim pensar em jogadores para a temporada 2015, já chega de ser coadjuvante e voltar a ser o ator principal, SPFC entra em competições para ganhar e não para disputar.

A novela Penalty x SPFC só traz a tona o que acontece nos bastidores do SPFC, aonde ninguém se fala com ninguém e acaba sendo motivos de piadas para mídia. Somente o Rogério Ceni sabe quando vai pendurar as luvas e ninguém além dele pode tomar a decisão. Se quiserem fazer uma ação de marketing já deveria estar fazendo desde junho e não no ultimo mês que o M1TO está jogando.

Agora começa o trabalho do Dr. Aidar e veremos em 2015 se o gigante acorda ou continua vivendo na ilha de caras e deixando os rivais conquistar e o gigante descansando em sua cadeira na beira da piscina.
Oh Nicolás Leoz Almirón mande desinfetar o troféu da Copa Bridgestone Libertadores da América, pois o verdadeiro campeão vai voltar a conquistar e não queremos as bactérias que o troféu tem depois de 2012 e 2013. Vai se lavar que em 2015 o SPFC vai lhe usar!

O verdadeiro campeão voltou!
The true champion is back!
Der wahre Champion ist zurück!
Il vero campione è tornato!

Até semana que vem!

LIBERTADORES, AÍ VAMOS NÓS!

c_tania

Depois de um 2013 tenebroso pro TRICOLOR, comemorar a vaga na Libertadores é sim uma grande coisa.

Uma pena que esse time demorou prá engrenar e que perdemos lá no começo pontos bestas contra Chapecoense e Criciúma, por exemplo. Podíamos ser campeões, sem dúvida….

E mesmo com todos os percalços do ano, mesmo com a fragilidade da zaga, com os tropeços bestas, estamos de volta à Libertadores. A competição que mais amamos, que mais gostamos de jogar, que no Brasil conquistamos 3 antes de todos os demais. A Libertadores é sinônimo de São Paulo, e vice-versa. Aprendemos a amá-la e ensinamos os outros times brasileiros a querê-la.

2015 será mais um ano disputando-a. Como deveria ser todos os anos!

Mas voltando a tempo de agora, o ano ainda não acabou pro TRICOLOR. O Brasileirão já era, mas a Sul-Americana ainda está viva. Eu não sei vocês, mas eu quero esse título. Fico lendo por aí, que é muito pouco prá um time como o São Paulo se contentar com vaga na Libertadores ou com título de uma competição não tão expressiva como a Sul-Americana. Ahhhh, quer saber….tem torcedor que se acha mais do que pode, sabe!?

Quem vocês pensam que são prá ignorar um segundo lugar numa competição tão complicada quanto o Brasileiro? Quem vocês pensam que são prá desprezar um título de uma competição na América do Sul que terão na final um Boca ou um River? Torcedor são paulino é chato demais, mimado e deixou o soberano virar soberba, deixou essa prepotência entrar no sangue. Acordem, minha gente! Querer mais é sempre válido, mas sem desprezar os degraus que se sobe!!

Que venha a semifinal. Estarei no Morumbi para apoiar como sempre. Penúltimo jogo, oficialmente, do M1TO com a camisa TRICOLOR. Tomara que a final da Sula venha como mais uma oportunidade de vê-lo….nós merecemos!

Quem apoiou o ano passado inteiro merece esse final de ano vitorioso!

tania_rodape

Pensar na Sul-Americana

Cacá Gouveia – cavgouveia@gmail.com
Radialista e Jornalista

saopauloxsantos

Gol de Boschilia foi resultado de bela jogada do Tricolor

Saudações Tricolores!

Meus amigos, com a definição do Brasileiro, é preciso centrar forças na Sul-Americana. Agora é hora de manter o foco, já que a Libertadores está garantida.

Apesar de toda a burocracia quarta-feira passada, ficou claro que o glorioso SÃO PAULO tem totais condições de atropelar os colombianos. Mas também está claro que os adversários vão entrar em campo com um goleiro e 10 zagueiros. Vou além: 11 jogadores catimbeiros.

Porém, o Nacional, pra mim, é problema dele. Não do Amado Clube Brasileiro. Ao Tricolor cabe entrar em campo descansado e, principalmente, concentrado. Todos do elenco devem saber que haverá retardo do jogo e provocação. Só não podem cair na armadilha. Acho que dá. E com certa tranquilidade.

Brasileirão – Parabéns ao Cruzeiro. Indiscutivelmente o melhor time. Manteve a regularidade e soube segurar o primeiro lugar. Até mesmo nos raros momentos em que escorregou.

Sem contar a sorte de campeão. Porque quando escorregou, seus adversários também vacilaram. Em quase todas as rodadas que Cruzeiro perdeu ou empatou, nosso Tricolor também fez o mesmo. Tivemos chances de encostar e até mesmo ultrapassar a Raposa.

Perdemos jogos considerados fáceis (Chapecoense em casa). Além disso, a equipe demorou a encontrar um padrão, um ritmo. A equipe demorou pra virar um time. Mas viramos a tempo de assegurar a vaga na Liberta.

Clássico – Que medo daquele primeiro tempo. No segundo foi bem melhor. Mas o que vi ratifica o que acho do Paulo Miranda: não é jogador pro SÃO PAULO.

O Cristiano Osvaldo tá dando nos nervos. Não levanta a cabeça pra tocar a bola nem ferrando. Não acertou uma!

Agora, a jogada do gol foi bonita. O Boschilia se redimiu ao acreditar que a bola não estava perdida. Dá tempo dele melhorar.

Vâmo SÃO PAULO!

rodape caca

Um novo e atrativo formato para o Campeonato Paulista

Disputa como na Copa do Mundo tornaria o Campeonato Paulista dinâmico e atrativo

Por Ricardo Flaitt, Alemão

O futebol brasileiro vive uma crise de identidade, e de datas. Depois que os clubes “descobriram” as forças financeiras e o peso dos troféus dos torneios sul-americanos, somado às competições nacionais como o Brasileirão e a Copa do Brasil, os campeonatos regionais – que outrora eram os principais – passaram a ser um estorvo na hora de montar os calendários.

Além de estorvo na montagem das tabelas, os regionais também se tornaram obsoletos. No entanto, eles movimentam muito dinheiro e influência na esfera política do futebol.

Para os clubes e os jogadores, os regionais representam as ausências de férias e de uma pré-temporada adequada para enfrentar os duríssimos torneios até o final do ano.

Para os torcedores, um maçante torneio, que vive a se perguntar a razão de ser, num exercício histórico, que tenta manter uma tradição do futebol interiorano, romântico, puro que, em realidade, não existe mais.

Diante deste quadro, uma sugestão viável para que o Campeonato Paulista se tornasse atrativo quanto à disputa e fosse curto para não sobrecarregar o restante do ano, poderia ser disputado nos mesmo moldes que a Copa do Mundo.

O Paulistão poder-se-ia ser disputado com 32 ou 24 clubes, divididos em grupos, como no Mundial. A diferença, talvez, seria que na fase de grupos, as quatro equipes poderiam disputar duas partidas (ida e volta) entre todos, ao contrário de como é feito no Mundial, em que um jogo já define o número de pontos a serem somados para a segunda fase.

Depois, os dois classificados seguiriam para as próximas fases: oitava-de-final, quartas, semifinal, disputa pelos 3º e 4º lugares e final.

Desta forma o Campeonato Paulista, já tão desgastado, ganharia em emoção, uma sobrevida atrativa e não duraria mais de 45 dias, fazendo oxigenar o calendário do futebol nacional.

***

RICARDO FLAITT (Alemão) é assessor de imprensa do Sindicato Nacional dos Aposentados, estudante incompleto de Filosofia (Unesp), cursa o último ano de História e, sobretudo, é um cronista-torcedor apaixonado pelo São Paulo. E-mail: flaitt.ricardo@gmail.com | Facebook/rflaitt | twitter.com/flaittt

Gestão moderna no futebol exige conhecimentos de moda

Celeste Tricolor: boa jogada do marketing

Por Ricardo Flaitt, Alemão

As relações entre a Penalty e o São Paulo, que já estavam esgarçadas, sujaram de vez a roupa, quando a fornecedora divulgou antecipadamente um convite sobre a aposentadoria de Rogério Ceni. Com o novo fato, agora a roupa está sendo lavada publicamente e estendida no varal da mídia.

Depois de possíveis atrasos nos repasses, o convite antecipado e uma cobrança velada por parte dos torcedores, como se o material não estivesse à altura de um time três vezes campeão do mundo, o tanque, repleto de roupas sujas, chegou à diretoria do São Paulo, que passou ensaboar publicamente sua insatisfação.

O desbotamento entre o São Paulo e a Pênalti nos remetem a uma pertinente discussão quanto à modernização das gestões no futebol, que agora precisam conhecer sobre moda – e sociedade.

Foi-se o tempo em que o uniforme era um mero detalhe no mundo do futebol. Um bom material esportivo tem o poder de impulsionar o marketing de um clube, ampliar a fidelidade de compras pelos torcedores e também as receitas de um clube.

Gênios como Steve Jobs demonstraram na prática que o design enche os olhos das pessoas. Em seu caso, fez dos seus inventos tecnológicos mais do que são em si, agregando-lhes valores de status. Comprar um Mac, a exemplo, faz-nos pensar involuntariamente de não se adquiriu um computador, mas sim “o” computador, diferenciando dos PCs que, na maioria das vezes, tinham o mesmo valor funcional.

O design de Jobs revolucionou os aparelhos tecnológicos, também fez disparar as suas vendas e, consequentemente, os seus lucros.

Karl Marx, que virou símbolo do Comunismo, mas que em realidade compreendeu o Capitalismo em suas mínimas engrenagens, já dissera sobre tudo isso, há mais de 100 anos, quando descreveu o “fetichismo da mercadoria”, que seduz as pessoas pela estética, pelo novo agregados ao produto, quando embalado em conceitos e formas. E não é isso que a publicidade faz ao revestir os produtos com novos conceitos?

Ainda que velho conceito, potencializar suas marcas ainda é desafios nos principais clubes brasileiros. E, dentro deste contexto, o material esportivo, minioutdoors ambulantes, são pontos de partida para que a marca do clube e do seu patrocinador ganhem as ruas, invadam as casas e a memória coletiva das pessoas.

Outro exemplo positivo do marketing

Os valores de um patrocínio máster na camisa de um clube não se medem somente pelo número de torcedores, mas também são considerados o design, o poder aquisitivo, e o desejo de compra daquele objeto, que representa a sua paixão, que será exposto publicamente, fazendo frente aos rivais.

Nesse ponto, não é demasiado afirmar que o São Paulo está em desvantagem em relação a outros clubes, que vem inovando sistematicamente suas armaduras contemporâneas e suas insígnias de nobreza social, que muitas vezes só o clube pode atribuir à grande massa.

O uniforme totalmente branco e totalmente vermelho lançados são também exemplos de erros de marketing, pois além de não caírem no gosto do torcedor, pior, escondiam parte essencial nessa grande máquina do futebol: o patrocinador.

Falar em uniformes, no passado, era algo afeminado, coisa de estilistas excêntricos, do mundo gay, praticamente assunto proibido no mundo machista do futebol. A camisa era quase um detalhe.

No entanto, a modernização das gestões do futebol brasileiro deverá compreender que o uniforme não é mais mera perfumaria. É o ponto de partida para as demais ações de marketing, para o fortalecimento da marca, para o crescimento da torcida e geração de renda de um clube, em que os grandes europeus chegam a pagar a contratação de craques só com as vendas dos uniformes.

É preciso se despir dos preconceitos, porque ampliar sua renda, o futebol terá de passar dos gramados também pelas passarelas…

***

RICARDO FLAITT (Alemão) é assessor de imprensa do Sindicato Nacional dos Aposentados, estudante incompleto de Filosofia (Unesp), cursa o último ano de História e, sobretudo, é um cronista-torcedor apaixonado pelo São Paulo | E-mail: flaitt.ricardo@gmail.com | Facebook/rflaitt | twitter.com/flaittt